Notícias

  • Twitter
  • FaceBook

Bayer vai testar cobrança por ganho de produtividade na soja

Daniel Olivi, do Notícias Agrícolas, participou nesta terça-feira (1) do Future of Farming Dialogue organizado pela empresa Bayer. O primeiro dia de evento aconteceu em Monheim, na Alemanha e reuniu agricultores, acadêmicos, especialistas globais do setor e jornalistas para debater sobre o futuro da agricultura.

O presidente da Divisão Crop Science, Liam Condon apresentou durante entrevista exclusiva ao Notícias Agrícolas uma informação importante e que pode impactar diretamente o agronegócio no Brasil. Segundo ele, uma das propostas de inovações da Bayer Mundial é implementar a ideia de um ganho através do aumento de produtividade. Caso um produto ou técnica seja aplicada e traga um acréscimo de produção, o valor poderá ser dividido e caso a produtividade não seja alcançada, o produtor não precisará pagar pelo produto.

Segundo o presidente, a inovação já foi testada nos Estados Unidos e também será testada em breve no Brasil. Questionado se o novo modelo pode ser um substituto das cobranças de royalties, o presidente afirma que a troca poderá ser desenvolvida com o tempo. "Eu não sei se é um substituto, mas os royalities são pagamentos para se ter acesso à tecnologia, mas sendo royalities ou pagamento por produtividade eu acho que será algo desenvolvido com o tempo porque no final do dia, o mais importante, é pagar pelo resultado final e não pela semente (início)", afirma.

Condon destaca ainda que é importante que o produtor brasileira esteja disposto a investir nas inovações para que os lucros e resultados sejam cada mais altos e positivos nas lavouras. "Se alguém não quer comprar produto não deveria fazê-lo, mas nós gastamos muito dinheiro desenvolvendo inovações. Esse investimento precisa ser recebido de volta. Se não puder cobrar por esse investimento então não teremos novas inovações", afirma.

Ele destaca ainda que a inovação precisa acontecer mesmo sem parcerias, reforçando mais uma vez que elas são fundamentais para o bom desenvolvimento. "Eu acredito que não existe inovação de graça. Inovação custa dinheiro e precisa ter um custo justo e assim investir os valores refletidos em inovação", completa.(...)

Fonte: Notícias Agrícolas; Foto do portal Notícias Agrícolas
(01/10/2019)
  • Twitter
  • FaceBook