Notícias

  • Twitter
  • FaceBook

Petróleo cai com Rússia prosseguindo com superprodução

As cotações de petróleo caíam na sexta-feira em dia de negociações tranquilas, em meio a sinais de contínua quebra de cotas pela Rússia antes da reunião da OPEP + da próxima semana para rever o acordo existente do cartel sobre restrição de produção.

Às 10h15 (horário de Brasília), os contratos futuros de petróleo caíam 0,1%, a US$ 58,03 por barril, a caminho de uma semana estável. O mix internacional de benchmarks Brent caía 0,6%, para US$ 62,93 por barril.

A Interfax informou que a produção de petróleo da Rússia fica em torno de 60.000 barris por dia acima do teto acordado pelo país de 11,18 milhões de barris por dia em novembro, estendendo uma série de produção acima do teto que será desaprovada quando a Opep e seus aliados se encontrarem na próxima semana em Viena.

O grupo terá que decidir se deve ou não aprofundar seus atuais cortes de produção para manter o mercado equilibrado diante do que se espera ser mais um ano lento de crescimento da demanda. Até agora, os relatórios sugeriram que a Arábia Saudita, líder de fato do grupo, estenderá os cortes atuais para além da data prevista para março, em troca de uma maior conformidade por países como Nigéria, Iraque e Rússia.

O ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, sugeriu no início da semana que o teto da Rússia poderia ser ajustado para excluir o condensado, o que teria o efeito de alinhar suas obrigações sem que a Rússia tomasse qualquer ação real. A produção de condensado da Rússia certamente aumentará no próximo ano, à medida que novos campos de gás entrarem em operação, disse Novak, acrescentando que não atingirá os mercados mundiais.

A extração de concessões do Iraque também pode ser difícil, depois que o primeiro-ministro do país apresentou sua demissão na sexta-feira sob pressão de clérigos e parlamentares irritados com o assassinato contínuo de manifestantes pelo exército nas últimas 24 horas. Outras 45 pessoas foram mortas a tiros por forças de segurança nas últimas 24 horas, principalmente no sul do país onde estão localizadas as instalações de exportação de petróleo do país.

Na quinta-feira, os manifestantes haviam invadido e incendiado um consulado iraniano em protesto contra a interferência política de seu vizinho xiita.

Fonte: Reuters, Investing.com; Imagem obtida da internet
(29/11/2019)
  • Twitter
  • FaceBook