.:: Arábia Saudita corta produção e preços do petróleo sobem ::..

Notícias

  • Twitter
  • FaceBook

Arábia Saudita corta produção e preços do petróleo sobem

Preços do petróleo sobem com a Arábia Saudita prometendo novos cortes de produção em junho.

Os preços do petróleo aumentaram à medida que a Arábia Saudita prometeu aprofundar ainda mais os cortes na produção no próximo mês para ajudar a drenar o excesso de combustível global causado como resultado da pandemia de coronavírus (Covid-19).

Os contratos futuros de petróleo brent aumentaram de US $ 0,15 a US $ 29,78 por barril, enquanto os futuros de petróleo intermediário do oeste dos EUA (WTI) aumentaram US $ 0,26 a US $ 24,40 por barril, informou a Reuters.

A Arábia Saudita anunciou planos de cortar a produção em mais um milhão de barris por dia (bpd) no próximo mês. Isso reduziria sua produção total para 7,5 milhões de bpd, uma queda de quase 40% em relação ao mês passado.

O estrategista-chefe do mercado global da AxiCorp, Stephen Innes, foi citado pela agência de notícias: “Essa redução na produção proporcionou excelentes ópticas, incentivando outros membros da OPEP + a cumprir e até oferecer cortes voluntários adicionais, o que deve acelerar o ato de reequilíbrio dos mercados globais de petróleo”.

Enquanto isso, os Emirados Árabes Unidos e Kuwait se comprometeram a reduzir a produção em outros 180.000 bpd no total.

O Cazaquistão também ordenou que os produtores de campos de petróleo de Tengiz e Kashagan, e outros produtores nos campos de petróleo de grande e médio porte, reduzam a produção de petróleo em cerca de 22% neste mês e no próximo mês.

O economista de energia e mineração do Commonwealth Bank, Vivek Dhar, disse: “Foi tão repentino e significativo que apenas foi visto como: ‘É uma política proativa ou apenas uma reação à demanda fraca?’”

Os cortes, juntamente com o alívio parcial das restrições de bloqueio em todo o mundo, devem facilitar uma escassez crítica de capacidade de armazenamento de petróleo.

No entanto, após o surgimento de novos casos infectados na China e na Coréia do Sul, o mercado está preocupado com uma segunda onda de casos de coronavírus que resultaria na introdução de novas restrições.

Dhar acrescentou: “Do lado da demanda, provavelmente há uma visão de que o pior pode estar atrás de nós, em termos do ponto de dano máximo. Se virmos uma segunda onda, isso afetaria a demanda e os preços. ”

A Reuters informou analistas dizendo que os dados de estoque desta semana desempenharão um papel importante na extensão da recente alta nos preços.

Dados da pesquisa preliminar da Reuters destacaram um aumento nos estoques de petróleo dos EUA em cerca de 4,3 milhões de barris na semana que terminou em 8 de maio.

Fonte: O Petróleo; Imagem da web
(14/05/2020)
  • Twitter
  • FaceBook