Notícias

  • Twitter
  • FaceBook

Safra 17/18 deve ter recuo de até 6%, diz Conab

Para Cleverton de Santana, ABCR e Consultoria Tendências, apesar de recuo, cenário é positivo: “Estamos diante de uma base comparativa alta”.

Depois de um resultado recorde, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê recuo na estimativa para a próxima safra. De acordo com o 1º Levantamento 17/18, divulgado nesta terça-feira (10), o plantio de grãos deve ficar entre 224,1 a 228,2 milhões de toneladas, o que representa recuo entre 6% e 4,3% em relação à safra passada, de 238,5 milhões de toneladas.

“Apesar do recuo, o cenário é positivo. Estamos diante de uma base comparativa muito alta. A safra 16/17 foi recorde histórico. Tivemos condições climáticas favoráveis durante o período em praticamente todo o País”, destaca o gerente de Levantamento e Avaliação de Safras, Cleverton de Santana.

Um dos sinais de que as expectativas dos produtores para o setor são positivas está na previsão de área plantada. Espera-se a manutenção ou um aumento de até 1,8% sobre a safra 2016/2017, podendo atingir números aproximados de 61 a 62 milhões de hectares, graças ao aumento do plantio de algodão e, sobretudo, da soja.

Para se igualar ao resultado da safra passada, explica o pesquisador, seria necessária a repetição das condições climáticas do período anterior, o que seria muito pouco provável. “O algodão é um caso muito interessante. Trata-se de uma cultura mais cara e, mesmo assim, estamos vendo aumento de áreas de cultivo no Mato Grosso e a manutenção de áreas na Bahia”, acrescenta ele.

Em contrapartida, a produtividade deve sofrer redução para praticamente todas as culturas. “Em termos de tecnologia aplicada na lavoura, é praticamente impossível o produtor dar um passo atrás. O que ele pode fazer é se manter em patamares de normalidade. Isto é o que deve acontecer com a soja, por exemplo. Na safra 17/18 deveremos ter produtividade de 3 mil toneladas por hectare, o que é absolutamente normal. Na safra anterior, este volume foi 8,6% maior”, comenta Cleverton de Santana.

Soja e milho continuam como as principais culturas e devem responder por cerca de 89% do total produzido no País. A expectativa é de que a produção de soja alcance entre 106 e 108 milhões de toneladas e a do milho total, 93,5 milhões, distribuídas entre primeira e segunda safra.

A área para milho primeira safra, que sofre a concorrência do cultivo de soja, deve ser reduzida entre 10,1% a 6,1% em relação a 2016/2017, o que vai refletir na diminuição da área absoluta entre 552,5 e 336,3 mil hectares. Já a soja, que vem oferecendo maior liquidez e possibilidade de melhor rentabilidade frente a outras culturas, deve alcançar maior área para produção, com um incremento médio de cerca de 2,7% comparado à safra passada, algo entre 34,5 e 35,2 milhões de hectares.

Fonte: SNA
(11/10/2017)
  • Twitter
  • FaceBook