Notícias

  • Twitter
  • FaceBook

Rodovias: Índice ABCR cresce 2,2% em setembro

O índice de atividade referente a setembro apresentou alta de 2,2% na comparação com o mês anterior, fluxo pedagiado de veículos leves subiu 3,3%, enquanto o de pesados também apresentou alta de 0,7%.

São Paulo, 10 de Outubro de 2017 – O índice ABCR de atividade referente a setembro apresentou alta de 2,2% na comparação com o mês imediatamente anterior, considerando os dados dessazonalizados. O índice que mede o fluxo pedagiado de veículos nas estradas é produzido pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR em conjunto com a Tendências Consultoria Integrada.

O fluxo pedagiado de veículos leves subiu 3,3%, enquanto o de pesados também apresentou alta: 0,7% em relação a agosto, na comparação mensal dessazonalizada. “Isso representa o terceiro registro positivo nessa métrica trimestral. A melhora do ambiente macroeconômico em curso deve sustentar a trajetória de ganhos do índice total ao longo do último trimestre”, afirma Alessandra Ribeiro, diretora da Tendências Consultoria.

Sobre o fluxo de veículos leves, Alessandra Ribeiro observa que “com o resultado, o indicador fechou o terceiro trimestre com alta de 0,8%, intensificando a elevação do trimestre de 0,1%, ainda na série dessazonalizada. Trata-se do quarto crescimento consecutivo nessa base de comparação, o que evidencia a trajetória de gradual recuperação do indicador ao longo de 2017". Ela ainda diz que "a melhora da situação financeira das famílias deve sustentar a trajetória positiva do indicador no último trimestre do ano: o quadro inflacionário benigno que favorece o aumento do poder de compra dos consumidores, a redução do nível de endividamento das pessoas físicas e a recente ampliação das vagas de trabalho, são fatores que contribuem para sustentar o processo em curso de aumento do consumo das famílias, alimentando a trajetória de crescimento do fluxo de veículos leves no restante do ano".

Na análise sobre o fluxo de veículos pesados, a economista ressalta que "trata-se do terceiro resultado positivo na métrica trimestral dessazonalizada, evidenciando a trajetória de moderada reação em curso no ano, e a sequência positiva do fluxo de pesados reflete o aumento da produção industrial no ano". Alessandra salienta ainda que "nesse sentido, o quadro prospectivo benigno para a atividade industrial – como sugere a normalização do nível de estoques, o crescimento do emprego industrial e o aumento da demanda doméstica - contribui para que o fluxo de pesados continue em trajetória de moderada elevação no último trimestre do ano".

Fonte: ABCR e Consultoria Tendências; Tabela e gráficos da ABCR reeditados na Bioagência
(11/10/2017)
  • Twitter
  • FaceBook